CabeloProdutos

Sonia Corazza explica os perigos do famoso “shampoo bomba”

No começo do ano eu fiz um post aqui alertando sobre os perigos do “shampoo bomba”, uma fórmula caseira cheia de promessas vazias e verdadeiros riscos para os fios. Essa semana, entretanto, a querida Sonia Corazza, que é cosmetóloga, engenheira química e perfumista, divulgou informações mais precisas, com o embasamento químico que só alguém com os conhecimentos dela poderia explicar isso pra gente.

O shampoo bomba que circula aí pela internet é uma receita que leva qualquer shampoo sem sal, Monovin A e Bepantol. Veja como Sonia esclareceu essa fórmula – e fique atenta com o que você lê por aí!

1- “Qualquer” shampoo significa que a blogueira não tem a mínima ideia do caráter iônico nem a composição complexa desse tipo de fórmula. Será que “qualquer” shampoo usa alquil sulfatos? Em caso positivo, tais tensoativos já contem cloreto de sódio como subproduto de reação. Considerado que 99% dos shampoos comercializados no mundo contém alquil sulfatos, notadamente laurel éter sulfato de sódio, a blogueira deveria ser mais cautelosa, pois comprar “qualquer” shampoo sem sal vai ser bem difícil.

Quais são os outros componentes da fórmula de “qualquer” shampoo”? Será que vai haver alguma incompatibilidade iônica ou química com os ingredientes do Monovin A ou do Bepantol? Hummmmmmmm, boa pergunta!

2- Nada contra o produto comercial Monovin A. Trata-se de vitamina A, em veículo OLEOSO, para uso VETERINÁRIO. Porém o “qualquer” shampoo é uma fórmula AQUOSA, mais um inconveniente para que a fórmula do shampoo BOMBA seja viável.

Monivin A é um produto para uso injetável em GADO e outros animais de grande porte, com algum desses sintomas:

Afecções oculares: conjuntivites, querato-conjuntivites, xeroftalmia e cegueira noturna (hemeralopia), em caninos, felinos e bovinos.

– Diarreias, andar vacilante e incoordenado, levando a paralisia das patas, traseiras; posição anormal da cabeça, observando-se nas carências mais acentuadas a cegueira noturna (hemeralopia), em suínos;

– Transtornos nervosos com incoordenação muscular, passo vacilante e ataques convulsivos em bovinos, equinos e ovinos;

– Esterilidade, abortos ou partos com fetos mortos em suínos e bovinos.

– Sintomas gerais: como afecções cutâneas e pêlo sem brilho.

Se você é um animal e o seu pêlo está sem brilho, vale a pena falar com seu veterinário sobre esse medicamento injetável. Mas se você faz parte do gênero humano, saiba que a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária impõe regras rígidas sobre o uso de vitamina A e seus derivados em cosméticos. Se quiser saber mais, veja aqui: http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/informa/parecer_retinoides.htm

3- Amo Bepantol! Trata-se de uma família de formulações muito bem feitas, trabalhei nestes projeto para a Bayer por pelo menos 3 anos e sou fã da linha inteira. Aliás sinto-me até responsável por parte do sucesso que a linha faz devido ao meu trabalho para colocar os produtos na seara cosmética.

Mas não se pode misturar nenhum produto da linha Bepantol com nada, pois as fórmulas são equilibradas para oferecer seus benefícios como foram concebidas. Isso significa que o sistema de conservantes usados garante a segurança contra o ataque de microorganismos nocivos pelo prazo de validade que está escrito na embalagem. Todas as outras categorias de ingredientes químicos também foram calculados, equilibrados e testados para garantir eficácia e segurança.

Sabe o que acontece quando se mistura um produto com qualquer outra coisa? A sua segurança toxicológica vai para o lixo!

Além da contaminação com bactérias, fungos e outros bichos que vc não enxerga, a sua pele, couro cabeludo e mucosas ficam suscetíveis a sensibilização e vc pode desenvolver reações de irritação cutânea, erupções, vermelhidão, coceira, descamação e mais uma lista imensa de manifestações de desconforto.

Quem testou a eficácia dermatológica dessa fórmula? Quem comprova que vai funcionar? Qual laboratório de teste clínico fez esse estudo? Quem avaliou a estabilidade físico-química dessa fórmula? E o desafio microbiano, chamado Challenge Test do sistema conservante, quem fez?

E sabe com quem vc reclama, fala, pede explicação? Com a blogueira! Afinal nem a Bayer, fabricante do Bepantol, nem a empresa fabricante do “qualquer” shampoo, nem a Groline, produtos pecuários, nenhuma destas empresas, nem seus químicos são responsáveis por essa fórmula, que você há de convir, realmente é uma “BOMBA”!

Pessoal, esqueçam essas receitas “milagrosas”! As empresas sérias investem tempo, recursos financeiros e contratam químicos éticos, detentores de conhecimento real acumulado numa vida para formular produtos seguros e eficientes. Se algum “milagre” cosmético for possível, vai sair dos laboratórios qualificados de profissionais com essa capacidade.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *