CabeloNotícias

O Livro dos Cachos, de Sabrinah Giampá

o-livro-dos-cachos-blog-julio-crepaldi-00

Se amar faz parte do empoderamento feminino. Isso quer dizer amar cada pedacinho de você mesma: da sua personalidade, do seu corpo e cada fiozinho de cabelo, seja ele liso ou cacheado.

A ditadura dos cabelos lisos ficou para trás – ainda bem! Porque hoje a tendência é valorizar a beleza natural e se sentir bem com você mesma. Isso significa assumir as ondas, os cachos e os caracóis, sejam eles curtos os longos. É ficar livre de químicas pesadas, progressivas, chapinhas e outros processos que custam caro e ainda por cima danificam os fios.

“O alisamento deve ser uma opção e não uma obrigação”, diz Sabrinah Giampá, jornalista e blogueira do Cachos e Fatos e autora de O Livro dos Cachos, da Editora Paralela. Ela, que esteve refém de tratamentos químicos por mais de 30 anos, relata que não foi uma transição fácil voltar aos cachos naturais. “Cada cabelo tem a sua beleza e quando a mulher se olha no espelho e se aceita, todas as coisas boas acontecem”, conta Sabrinah.

De acordo com a autora, O Livro dos Cachos é uma pequena contribuição para a democratização dos cabelos crespos. Ao site MdeMulher ela antecipou oito lições preciosas para quem quer assumir os cachos:

o-livro-dos-cachos-blog-julio-crepaldi-01

  1. Assumir os cachos é um processo difícil, de descoberta, mas, certamente, você irá aprender a gostar muito mais de si mesma.
  2. Um dos primeiros passos é se desfazer daqueles preconceitos internalizados. Quem disse que para a mulher ser bonita é preciso ter fios lisos e compridos? A gente escuta desde pequena ‘cabelo crespo é ruim, é feio’. Isso é uma grande mentira e ela precisa ser combatida.
  3. Uma dica importante é a de SEMPRE ler os rótulos dos cosméticos e não se deixar seduzir pelo marketing . Muitas empresas colocam ingredientes naturais só para dizer que puseram, mas, na real, a quantidade é muito reduzida. Cada cabelo reage de um jeito diferente a cada produto e a única forma de saber se ela funciona para você, é testando e, ao ler os componentes [no livro você encontra uma listagem com as funções de cada um deles], quem sabe, da próxima vez, você encontra um produtinho mais barato com os mesmos ingredientes daquele um pouquinho menos em conta.
  4. Você não pode ser escrava do cabelo. Nossa vida é interessante demais para gente se preocupar, por exemplo, com um cronograma capilar, sabe.
  5. A natureza sabe e ela faz o cabelo do jeitinho que mais combina com o nosso rosto.
  6. E ter cabelo natural não é nada caro, pelo contrário. Você vai ficar livre da chapinha, da progressiva e de outros tratamentos agressivos para você – e seu bolso.
  7. Acho que uma das lições mais incríveis é de que quando você se gosta, acaba se tornando livre, resgata a sua autoestima e se empodera.
  8. O livro traz um pouco do trabalho que eu faço no blog, essa coisa de uma mulher ajudar a outra, empoderar a outra. Ensinar novas dicas de cuidados, finalizações… Ainda faltam muitas referências para as mulheres crespas e eu fico feliz de colaborar, nem que seja um pouquinho, para ajudar mais garotas a se amarem do jeito que são.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *